ASSINE
  1. 'Expedição' busca sinais de meteorito em Itatiba


    Depois de relato em Campinas, astrônomo vê indícios da queda de material cósmico em área queimada de 300 metros de diâmetro

    31/07/2012 - 23h21 . Atualizada em 01/08/2012 - 06h00
    Gláucia Santinello    

    Após relatos da queda de uma suposta bola de fogo (fireball) associada a uma chuva de meteoros no final de semana em Campinas, agora é a vez do município de Itatiba ser alvo de buscas de evidências de fragmentos de meteorito. A suspeita é de que este objeto pode ter caído em um sítio na cidade na última segunda-feira. Durante todo o dia de ontem, o astrônomo Julio Lobo esteve no local e acredita nesta hipótese, especialmente pelas características da queda testemunhada pelo caseiro da propriedade. Depois de o Correio publicar reportagem sobre a bola de fogo, a redação recebeu seis e-mails de leitores relatando que viram este mesmo evento luminoso. O astrônomo explicou que os fenômenos em Campinas e Itatiba não têm relações entre si, mas indicam que o céu da região está “movimentado”.

    Segundo o caseiro José Oliveira dos Santos, de 52 anos, na tarde da última segunda-feira, por volta das 14h30, ele escutou um barulho semelhante a de um jato e depois uma batida seca e forte no solo a alguns metros da sua casa, no alto do morro. “Aqui é rota de avião, mas o zumbido era diferente. Era uma espécie de assobio em uma velocidade rápida e depois a queda, com barulho muito forte. Eu não vi nada, apenas escutei. Depois da queda, vi o fogo e liguei imediatamente para os donos do sítio”, explicou. Para o astrônomo, este relato é considerado “clássico” de casos onde foram registradas quedas de meteorito, como na cidade de Varre-Sai, no Rio de Janeiro, há dois anos. Além da informação da testemunha, Lobo listou outras evidências.

    Na busca, que foi acompanhada pela reportagem, Lobo percebeu que um fio da rede de alta tensão, que corta a propriedade, foi danificado. Além disto, a possível queda do objeto provocou um “clarão” na mata em uma extensão de 300 metros de diâmetro. Para o astrônomo, o meteorito chegou incandescente e pegou fogo, causando a queimada na área. “Em relação ao tipo de estrago do fio, não pode ter sido feito por uma ave, por exemplo. E a queimada não pode ter sido causada por faísca da rede, já que os fios não se tocam. E mesmo se eles se tocassem, os galhos das árvores mais altas estariam totalmente secos.”

    Apesar das evidências apontadas, o astrônomo não encontrou nenhum fragmento do meteorito no local. Lobo pretende retornar com uma equipe com detectores de metal e outros equipamentos para uma nova varredura na área. O local onde supostamente o meteorito caiu é de dificílimo acesso. É uma caminhada íngreme de 2h30 de mata fechada e é praticamente impossível encontrar no terreno alguma prova sem estruturas materiais e humanas. Depois que o caseiro ligou para os patrões, eles acionaram o Corpo de Bombeiros de Jundiaí, que também recebeu apoio dos bombeiros de Itatiba. Apesar das dificuldades de acesso, a equipe de socorro do Corpo de Bombeiros Municipal, subiu até o local indicado pelo funcionário do sítio, acreditando se tratar de uma queda de avião, mas nada foi encontrado, apenas os focos de incêndio. O helicóptero Águia, da Polícia Militar (PM) de Campinas, também fez buscas no local, mas nada encontrou.

    Relatos
    No evento luminoso do final de semana em Campinas, o empresário Igor Okimoto, de 32 anos informou que na madrugada do último domingo, ele e a sua namorada tinham visto uma espécie de estrela cadente reluzente caindo em direção à Escola Técnica de Campinas (Etec). Eles passeavam de carro pela Avenida Dr. Heitor Penteado, por volta das 3h33.

    Os e-mails recebidos dos leitores do Correio também relatam o avistamento deste tipo de objeto no mesmo horário e dia que o casal.